quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Se o caso é chorar... *

Que seja sempre terra o que é celeste
E que terrestre não seja o que é só terra.





Se é pra chorar, que seja por Vinícius de Moraes, que te troca por outra em um mês, mas escreve isso pra te dar:

Soneto de Devoção

Essa mulher que se arremessa, fria
E lúbrica aos meus braços, e nos seios
Me arrebata e me beija e balbucia
Versos, votos de amor e nomes feios.

Essa mulher, flor de melancolia
Que se ri dos meus pálidos receios
A única entre todas a quem dei os
Carinhos que nunca a outra daria.

Essa mulher que a cada amor proclama
A miséria e a grandeza de quem ama
E guarda a marca dos meus dentes nela.

Essa mulher é um mundo! - uma cadela
Talvez... - mas na moldura de uma cama
Nunca mulher nenhuma foi tão bela.




Sendo assim essa mulher, o que importam as outras?

Mas que seja infinito enquanto dure.


(Na poesia é tudo mais bonito)




* Título roubado de Tom Zé

2 comentários:

Gabriela Bezerra disse...

Concordo contigo, Ritinha. Vinícius era mesmo um filho da puta que trocava de mulher todo mês, mas ao menos escrevia coisas lindas assim para elas. AIAI.
E tudo a ver a parada de Hilda Hilst, inclusive, ele nunca conseguiu tê-la, né? HAHA.

"Quem pagará o enterro e as flores se eu morrer de amores", não é mesmo?


Abraços,
Gabriela

mally disse...

(Na poesia é tudo mais bonito)(2)