segunda-feira, 14 de setembro de 2009

Q/

O mundo é uma grande pergunta.

Qual o seu nome?
O que você quer ser?
Você já amou?
Você sabe o que é o amor?

Por que as pessoas ficam doentes?

Quem é Deus?

Você quer um pedaço?

Como estou dirigindo?

Quem sou eu?


Vinha conversando com um amigo no carro hoje, na volta de um cinema, e dizia a ele que era engraçado ser adulto e chegar no ponto em que se sente a necessidade de responder a si mesmo: onde eu quero chegar, daqui em diante? O que eu procuro? Com que objetivo eu irei trabalhar? Para quê? Para quem? Por quê?

A vida nos massacra com perguntas, mas ela também nos afaga. Devemos nos sentir valiosos, se somos capazes de fazer perguntas. Nós pensamos.

As respostas, às vezes, podem ser muito mais cruéis do que as questões delas.

Noite de domigo pode ser boa.

E vou dormir me abraçando e me cheirando e sentindo o meu cheiro novo tão bom, pelo qual estou apaixonada. Que bom que ele é meu, então. Obrigada.

Boa noite.

2 comentários:

Lini disse...

Rite, de onde vêm os bebês?


De onde vem a saudade também?

=*

Lusca disse...

Confesso que de vez em quando eu me pego pensando: pô, a vida era mais fácil quando as pessoas decidiam por mim. E às vezes me dá saudade. Mas eu logo percebo que é muito melhor poder morar sozinho, ainda que eu tenha que lavar meus pratos =P